Atenção! Texto grande.

O foco mesmo é a primeira semana. Bom, hoje eu lembro e tenho até saudade! rsrs

Quando o Heitor nasceu, logo cedo no dia seguinte a família já estava lá. Todos na babação, pois é o primeiro neto do meu sogro e sogra. No caso da minha mãe é o primeiro neto homem. Confesso que fiquei com muitos ciúmes e para minha surpresa o marido ficou com muito mais. Todo mundo em cima do Heitor e eu achando que iria desmaiar e marido ditando regras... "Não façam isso, não façam aquilo". Eu fiquei quieta, apesar de tudo. Eles ficaram pouco, minha mãe ficou até de tarde. Foi embora e ficamos eu, marido e Heitor. A noite chegou e com ela a primeira dificuldade. O Heitor ficou com o nariz entupido e começou a ficar ruim pra ele respirar. Ele chorava e chorava. Eu acalentei, o marido acalentou e liguei para o berçario pedindo Rinosoro. Elas demoraram e o Heitor acabou dormindo. Colocamos ele no bercinho, sentei na cama e desabei. Ali, com aquela dificuldade (que pra gente era uma enorme, nunca tinhamos lidado assim com um bebê), caiu toda a ficha... Caiu toda aquela enorme responsabilidade, eu senti o peso. Agora, aquela vidinha me pertencia e eu teria que cuidar dela por toda a vida. Dar amor, carinho, educar, sustentar, ensinar, cuidar. Eu chorei muito e o marido só me abraçava.

Na noite seguinte, o problema era outro. O Heitor não acordava para mamar. Chamei a enfermeira, ela veio e tirou toda roupa do Heitor. Eu quase chorei de tanta dó. Ela foi embora e ele mamou. O problema é que a pessoa aqui nunca tinha trocado uma fralda, imagina vestir um bebê! Aí começou o desespero. Somente eu e o marido, nenhuma enfermeira aparecia. Decidimos tentar e foi horrível. Me desesperei tanto que foi o marido que acabou conseguindo vestir o Heitor. Mais uma vez sentei na cama e chorei muito. Eu só tinha um pensamento: Eu nunca vou conseguir cuidar dele! Eu não sei vestir, nem trocar, nem dar banho... Meu Deus! Não vou conseguir.
E mais uma vez o marido me abraçava e consolava.

Finalmente o dia de ir embora. Lembro do trajeto de volta pra casa, eu olhando aquela coisinha no Bebê Conforto dormindo. Em casa havia até cartaz para o Heitor. Todo mundo empolgado, feliz, quase saltitando de alegria e eu... Eu estava perdida. Estava cansada e ninguem queria sair da minha casa. Sentei no sofá enquanto minha mãe e sogra conversavam na maior felicidade. Olhei pra tudo aquilo e sabe o que eu fiz? Chorei! Kkk Minha mãe perguntou qual o motivo e eu não conseguia falar. Minha sogra respondeu por mim, ela entendeu melhor. Minha mãe mandou eu parar e falou que ela não teve "essas coisas". Continuei chorando. A noite chegou e essa foi "a noite". Heitor acordava a cada 15 ou 20 minutos, não queria dormir no bercinho colado na minha cama. Queria mamar e mamar. Eu ia pra sala pra deixar o marido dormir e minha mãe sempre ficava comigo. Eu colocava ele no bercinho e em 20 minutos ele acordava por dois motivos: Não queria dormir no berço e não queria dormir de barriga pra cima. Sempre acordava devido ao Reflexo de Moro. Eu paranóica com as recomendações, não deixava ele dormir de lado e nem comigo. E a minha mãe falando: Ele quer vc, quer sentir vc.
Ela me chamava de teimosa e dizia que eu era ruim...kkk

De dia o Heitor dormia super bem, mas a noite sempre a mesma coisa. Acordava a cada 20 minutos. E por tudo, na primeira semana chorei todos os dias. MInha mãe brigava com comigo, disse que não poderia ficar assim no meu resguardo, "pq resguardo é uma coisa muito séria, minha avó faleceu no resguardo dela". Até que dei um basta nisso. Confesso que ir no pediatra e saber que o Heitor estava forte e saudável apenas com LM ajudou bastante.

No meio disso tudo, ainda tinha a bendita amamentação. Pega correta, bastante leite, mas eu ficava muito encucada, pois a orientação que tive é que o Heitor deveria mamar no mínimo 40 minutos em cada seio, caso contrário, ele iria mamar apenas o leite "magro" e não iria ganhar peso. E aí o menino mamava no máximo dez minutos. Eu chorava, chorava me perguntando o que eu deveria fazer... Eu acordava ele, mexia nele e ele só mamava dez minutos. Acabei desistindo e falei seja o que Deus quiser. Saímos do Hosp na segunda e na sexta o Heitor já tinha pediatra, com isso saberia se ele estava ganhando peso ou não. Entrei na sala da médica com o Heitor no peito, mamando. Ela achou ótimo e disse que eu nasci pra ser mãe... rsrs Logo começou a examiná-lo e os resultados foram ótimos! O Heitor nasceu com 3425kg e 51cm. Saiu do hospital com 3220kg (em uma segunda-feira) e na consulta (sexta-feira) já estava com 3445kg e 52cm! Eu quase chorei de felicidade! O que acontecia é que ele era guloso, secava o peito em pouco tempo.

Depois dessa consulta fiquei bem segura, mas no dia seguinte estava um caco. Uma semana sem dormir direito. Não queria ver ninguem! E minha mãe chamando visitas pra minha casa, marido tentou barrar, mas eu lavei o rosto, tentei melhorar e recebi todos. Mas não via hora irem embora.

Hoje eu penso que no primeiro mês, nínguem deve ir visitar, a não ser que seja convidado. O negócio não é fácil. Eu pensava: Poxa, pq ninguém me avisou que seria assim? Eu chorava de saudades do meu marido (que estava ali, mas eu não conseguia ficar com ele), saudade da minha rotina, saudades de deitar no sofá quando eu bem entendesse, saudades de dormir uma noite INTEIRA. E ainda por cima o Heitor era piercing de mamilo! Era peito toda hora! Minhas costas doiam, o peito machucado e eu aprendendo a cuidar de um RN. Minha mãe me ensinou a trocar, a vestir e dar banho. O primeiro banho foi com 20 dias! Morrendo de medo. Minha rotina era isso: Noite muito mal dormida e muito peito, de dia o Heitor dormia melhor e eu dormia ou resolvia alguma outra coisa, mais peito, depois do almoço era o banho do Heitor, ele dormia, eu tomava banho e dormia com ele. E muito peito, peito demais... Quando lembro até me cansa... rsrs Minha mãe cuidava de tudo e de todos: Casa, comida e roupa. Ela foi uma mãezona. Ela ficou comigo em todas as madrugadas. Todas! Não me deixou só. No final eu já ficava quieta com o Heitor pra deixar ela descansar.

Quando o primeiro mês estava acabando, o Heitor passou a dormir a noite e acordava a cada duas horas. Eu   mega feliz, afinal, dormir duas horas seguidas era um luxo e eu estava conseguindo! Minha mãe começou a avisar que ela iria embora... Eu já estava trocando, banhando e cuidando de tudo. Deveria seguir minha vida e ela precisava voltar pra dela. E eu que falava que minha mãe só precisaria ficar uma semana, acabou ficando 29 dias... rsrs

Ela partiu, mas me deixou segura e me ensinou tudo. Eu sentia um frio na barriga em saber que logo estaria sozinha com ele em casa, mas estava feliz em seguir minha vida e agradecida a minha mãe por tudo que ela fez por mim.

Esse foi meu primeiro mês. Tive Baby Blues, vivi tudo que tinha pra viver nesse período e uma coisa é verdade sobre as dificuldades do primeiro mês: Passa! O que ficou é a saudade do meu RN.